2 anos e 11 meses de Valentina

2 anos e 11 meses, minha menininha está crescendo!

Nossa, quase três anos! 2 anos e 11 meses que escutei o choro que mudou a minha vida. Minha menininha… tão inteligente, tão sagaz, tão exigente. Me surpreende a cada fala. Como já disse muito por aqui, Valentina é uma criança que possui uma vivacidade única. Ela está presente o tempo todo. Tem uma energia, uma força no olhar.

Aos 2 anos e 11 meses Valentina demonstra um avanço cognitivo significativo. Isso tem seus pontos positivos e negativos. Isso porque suas colocações e argumentos são tão inteligentes que me fazem esquecer que sua maturidade emocional não acompanha seu desenvolvimento. Ela sabe que o V de Valentina é igual o número dois com os dedos, sabe contar até 10, identifica as letras, mas não consegue dormir sozinha ou fazer qualquer outra coisa sozinha. Vejo uma confusão entre o bebê e a criança, e a confusão não é só dela. Eu também não sei lidar com essa criança que está aparecendo, ora me pego falando com uma voz infantilizada, ora exigindo mais do que ela pode fazer. É que quando a criança se comunica com exatidão tendemos a achar que ela sabe tudo o que diz, e não é assim que o desenvolvimento cerebral acontece. Percebo que muito do que ela é hoje foi influenciado pelos primeiros dias, mas ainda assim ela possui seu temperamento próprio. Nem tudo é do ambiente!

Fala, fala, fala, fala. Meus Deus, como a Valentina fala! E sempre na maior altura possível. O que me faz perder a paciência muitas vezes, e ficar com um zumbido na cabeça! Atropela todas as conversas e sempre tem uma história para contar.

Sinto que seu sono está começando a melhorar, e tenho até medo de escrever isso aqui! Mas percebo que dormir está aos poucos deixando de ser uma punição. Ela já encosta nos lugares e dorme, como por exemplo no sofá ou até no chão! Isso jamais tinha acontecido. Sua alimentação estava péssima, agora está entrando em uma fase mais tranquila, mas ainda assim muito exigente.

Valentina tem uma obsessão por cheiros, chega a gostar ou desgostar de alguém pelo cheiro que ela tem. Isso às vezes me deixa em situações embaraçosas! haha Me faz colocar perfume até no travesseiro porque fala que o travesseiro está com cheiro ruim. Inclusive ela consegue identificar meu perfume nas roupas, fala que é o meu cheirinho!

Estou preocupada com o medo que ela trata algumas pessoas. Ela que era uma criança dócil, que me deixava até alerta com a sua passividade frente às outras crianças, agora me preocupa por sua hostilidade. Não chegou a bater, mas toma brinquedos, fala alto, faz uma carinha de brava que chega a ser engraçada. Se estamos em uma livraria por exemplo, ela começa a gritar com as crianças que se aproximam tentando delimitar o território. Com os adultos também tem sido bem grosseira, como com os avós e como os funcionários da nossa casa. Mas a única pessoa que ela nunca é mal educada é com a irmã, é de se admirar o carinho e proteção que ela tem com a Isabela. O diálogo está sendo minha principal ferramenta, imagino que dentro de sua cabecinha também passa um turbilhão de pensamentos. Ainda estamos longe de dar adeus aos Terribles Two! Briga para escovar os dentes, para dormir, para dar licença, para comer, para absolutamente tudo.

Nunca usou tanto a palavra sozinha. Quer fazer tudo sozinha! Ir ao banheiro e vestir roupa são alguns dos exemplos. Inventa formas alternativas de brincar e usa muito a expressão “meu jeito”. Pergunta o tempo todo se sabemos fazer algo que ela inventa e adora trocar de papéis. Finge que sou sua filha e ela é a mamãe.

Acredito que todas as pessoas surgem em nossas vidas para que sejamos pessoas melhores. Valentina sem dúvida é minha inspiração. Eu sou uma pessoa fechada emocionalmente falando, não sou de muito contato físico. Difícil colocar isso em palavras, mas eu não era uma pessoa muito amorosa. Até que ela nasceu! Eu era uma pessoa que poderia ficar o dia todo com um livro na mão sem falar com ninguém, iria ao cinema sozinha sem nenhum problema. Um pouco misantropa, eu diria. Falo um pouco disso aqui.

Se eu tivesse uma filha com os mesmos traços de personalidade, eu não iria crescer e me desenvolver como ser humano. Mas felizmente Valentina veio puxando ao pai, que é super sociável. Ela gosta de contato, de pessoas! Esse foi um dos motivos de resolver engravidar novamente. E foi com ela que eu aprendi a ser mais amável, mais querida, mais paciente e muito mais humana. Em 90% do tempo que a Valentina está acordada ela está me pedindo alguma coisa (água, chá, ir ao banheiro, ir a lua) ou está literalmente pisando em meu calcanhar. Às vezes tenho vontade de ir ao banheiro e ficar um pouco trancada lá… Mas não adianta, porque até quando eu vou tomar banho está lá a pequena batendo na porta pedindo para entrar. Mas daí eu olho para seus olhinhos e vejo a adoração que ela tem por mim. Meu coração se derrete, e eu luto para ser uma pessoa melhor. Essa luta é diária! Eu nunca disse que sou uma mãe perfeita, ao contrário, gosto de deixar aqui minhas imperfeições bem evidentes para que outras mães vejam que elas não estão sozinhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>