Icterícia em Recém-nascido

O que é a Icterícia?

A icterícia também é conhecida popularmente como amarelão, ou tirícia.  A cor da pele e o branco dos olhos ficam amarelos devido ao excesso de bilirrubina no sangue. A bilirrubina ou hematoidina é uma substância amarelada encontrada na bile, que permanece no plasma sanguíneo até ser eliminada na urina. Quando a capacidade de metabolização do fígado é menor do que a produção de bilirrubina, a criança fica ictérica.

Existem vários tipos de icterícia, alguns tipos são fisiológicos e nada precisa ser feito, outros precisam de avaliação do pediatra.

A icterícia fisiológica acontece em mais de 50% dos recém-nascidos, alguns bebês tem uma dificuldade maior para excretar a bilirrubina. Essa condição aparece entre o segundo e quarto dia de vida e desaparece até o 14º dia. Os bebês prematuros frequentemente também levam mais tempo para excretar a bilirrubina, devido ao seu organismo ainda em formação. Existe ainda a icterícia denominada icterícia do leite materno; algumas mães precisam pausar a amamentação,  isso porque cerca de 1 a 2% dos bebês alimentados no peito desenvolvem icterícia causada por substâncias advindas do leite materno que reduzem a excreção intestinal da bilirrubina, ela aparece ao redor do quarto e sétimo dia de vida. A icterícia do leite materno tem uma duração maior, durando cerca de 3 a 10 semanas. Existe ainda o tipo mais severo de icterícia, que o causado por incompatibilidade sanguínea da mãe e do recém-nascido, essa em geral já acontece no primeiro dia de vida. Esse tipo pode ser prevenido com uma injeção de imunoglobina anti-RH, que deve ser administrada em até 72 horas do parto.

Exames clínicos e laboratoriais podem identificar qual é o tipo da icterícia, por isso a importância de uma avaliação do pediatra. Algumas pessoas sugerem o uso de chá de picão, o que não é recomendado, visto que

As recomendações da Organização Mundial de Saúde relativas à amamentação são as seguintes:

As crianças devem fazer aleitamento materno exclusivo até aos 6 meses de idade. Ou seja, até essa idade, o bebé deve tomar apenas leite materno e não deve dar–se nenhum outro alimento complementar ou bebida.

Além disso, não existe comprovação científica de que o chá de picão realmente interfere no desaparecimento da icterícia. O que acontecia há alguns anos atrás é que os pais achavam que o chá estava fazendo efeito, quando muitas vezes se tratava de icterícia fisiológica, ou seja, a mesma desapareceria de qualquer forma.

Consulte o pediatra imediatamente se a icterícia surgir nas primeiras 48 horas de vida do recém-nascido e se a icterícia progredir. A icterícia inicia na face, depois no tórax, no abdômen e, por fim, nas pernas. Quanto maior a quantidade de bilirrubina no organismo, maior a progressão da icterícia no corpo. Ressalto que algumas pessoas não dão a importância necessária a icterícia, entendendo que se trata apenas de algo na pele. Essa interpretação é errônea, porque o acúmulo da bilirrubina acima de certos limites é extremamente tóxico para o sistema nervoso e pode causar lesões graves e irreversíveis na criança. Quantidades elevadas de bilirrubina podem causar danos cerebrais (conhecido como kernicterus), perda auditiva, problemas com os músculos que movem os olhos, anormalidades físicas, e até mesmo a morte.

Para casos leves, o banho de sol pode ser eficiente. Já para casos graves, a fototerapia é administrada. Basicamente, a fototerapia consiste em colocar o recém-nascido despido e com os olhos protegidos com uma venda, sob oito tubos de 40W de luz fluorescente branca ou azul, a 60cm de altura. Sendo que o tempo de exposição mínima é de 24horas.

Ainda que os pais não reconheçam nenhum sinal de icterícia grave, é importante levar a criança ao pediatra com 7 dias de vida para que o mesmo possa avaliar não só essa condição, mas toda a situação de saúde do bebê.

Depois de explicar tecnicamente o que se trata a icterícia, usando para tal como referência o livro A vida do bebê, do Dr Rinaldo de Lamare. Quero falar para vocês qual foi a minha experiência com a icterícia.

A Valentina nasceu no dia 29 de dezembro, e já no dia 30 tivemos alta. Eu não tinha a menor ideia do que era a icterícia, mas ao sairmos do hospital o pediatra nos avisou que se a icterícia ficasse mais forte era para levá-la ao hospital. Eu, na minha ignorância sobre o assunto fiquei apenas olhando para a sua cabecinha pensando que poderia ficar mais amarelo. Não sabia que o mais forte, na verdade se tratava da icterícia se espalhar para o corpo todo. Tivemos muita dificuldade na amamentação, leia o post sobre Hiperlactação  para saber mais e por esse motivo fomos ao pediatra quando ela estava com 5 dias de vida, isso porque ela não estava mamando e não tinha feito cocô. Eu não tinha ido ao pediatra devido a icterícia, a impressão que eu tinha, é que ela era moreninha! Mas o pediatra se assustou com a perda de peso e com a condição amarela dela, até mesmo os olhos já estavam muito amarelos. Ele solicitou um exame de bilirrubina para verificar a quantidade no sangue, e ao receber o exame nos indicou para o setor de UTI neo natal. Ela estava no limiar. Quando o pediatra neo natal avaliou o exame, disse que era melhor que ela não fosse internada porque haviam casos muito graves na UTI, mas que ela deveria ser avaliada duas vezes ao dia refazendo os exames. Se ainda assim não abaixasse, ela seria internada. Solicitou banho de sol, nessa foto nota-se como ela estava magra e amarela. O que você não verá é a minha tristeza perante o fato. Eu me senti muito culpada, e naquele momento pesou muito a maternidade. Lembro de me questionar como eu pude errar tanto em tão pouco tempo. Me culpei por não ter lido mais, por não ter observado mais, e naquele momento surgiu uma mãe neurótica. Por muito tempo me vi sendo extremamente protetora com a Valentina, mesmo quando não havia mais motivo para isso.

Valentina com 7 dias

Valentina com 7 dias – Todos os direitos reservados ao Blog Mamãe Duas Vezes

Felizmente não foi necessário a internação, e nem retirar o leite materno. Ela conseguiu recuperar o peso e com banho de sol ela foi se restabelecendo. Mas o amarelo dos olhos demorou mais de um mês para sair, não sei precisar o tempo certo. Nessa experiência, o que eu aprendi foi que em se tratando de saúde não podemos ouvir comentários (mesmo que muitas vezes eles tenham uma intenção positiva) de parentes e nem mesmo confiar no nosso puro instinto. Na dúvida, não deixe de procurar um pediatra de sua confiança!

Com a Isabela, ela ficou um pouco amarelinha, mas não se espalhou pelo corpo. Ainda assim, ela foi ao pediatra com 7 dias de vida para verificar sua situação de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>