Mãe, agora eu entendo você

Mãe. Me disseram que eu te entenderia quando eu fosse mãe. Não vou mentir, não foi assim que aconteceu. Eu achei fácil trocar uma fralda, mas mãe… Eu lembrei de você na primeira birra em um supermercado. Lembrei de nós comprando papel de carta, o dinheiro contato, meu descontentamento verbalizado.
Eu entendi o que você sentiu ao me ver em um hospital quando me vi impotente velando uma criança com febre.
Eu pensei em você quando eu não soube responder uma pergunta, vi seus olhos cansados quando uma criança me pedia colo enquanto eu cozinhava. Lembrei de você saindo de casa às 5 da manhã para fazer uma faxina. Eu achava que você não se importava comigo me deixando sozinha o dia todo em casa, mas mãe…Eu não tinha ideia de todas as despesas de uma casa.
Mãe. Eu pensei em você quando visualizei minha filha me dizendo “eu quero ir embora dessa casa” como tantas vezes eu disse gritando. Nessa época eu achava que mãe não tinha o direito de ficar magoada, “eu não pedi para nascer!”. Não era assim que eu falava?
Mãe. Hoje meus olhos não são mais de filha, agora consigo te olhar como mãe e meus olhos são de compaixão! O mesmo olhar que destino a tantas mães que me dizem que não sabem o que fazer. Aos 17 anos você também não sabia, não é mãe?
Hoje eu consigo ver em você uma jovem mãe, com um namorado inconsequente, uma infância difícil, um pai ausente, uma mãe com muitos filhos e poucos recursos.
Hoje mãe, eu consigo olhar para você sem me colocar no centro da relação. Hoje consigo visualizar cada dificuldade que você passou sem ninguém para te erguer a mão.
Hoje eu não te olho com os olhos de uma criança que espera que sua mãe seja uma heroína. Hoje olho com o olhar realista de que muitas vezes nossa única opção é fazer o melhor que podemos e é difícil oferecer o que não tivemos.
Hoje eu não olho com os olhos de uma adolescente que se sente o centro do mundo e consegue bater a porta no rosto de uma mãe. Não mãe… Hoje meu olhar é de mãe, que consegue se colocar no lugar de outra mãe. Por muito tempo levantei a bandeira de não julgar uma mãe, sem parar para pensar que julgava a mais próxima de todas as mães: você mãe. Te amo! ❤️
Mel Naves, filha e mãe.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>