Muda, tudo muda depois dos filhos.O que mudou para você?

Muda…

Mudam as fotos, muda o olhar. Mudam os sons, muda o cenário. Muda o sono, muda a comida, mudam as roupas, muda a casa e até o cabelo. Muda o tempo, mudam os horários. Mudam as preocupações. Mudam os medos, mudam as alegrias, mudam as tristezas. Muda a coragem, muda o sorriso. Mudam os passeios, mudam os sonhos, mudam os anseios. Alguma coisa sempre muda. E se nada mudou para você, ou você está mentindo, ou não está fazendo isso direito!

Acho impossível conseguir descrever em palavras tudo o que mudou para mim depois que me tornei mãe. Mas sem dúvida, o que mudou de forma permanente foi a minha forma de enxergar a vida. Já contei um pouco sobre mim, eu era muito sozinha e nunca encarei isso como um problema. Hoje eu não sei mais o que é solidão, tenho uma casa cheia de pessoas, sorriso, choro, grito, brinquedo e principalmente vida. Eu tinha um casa em tons de bege e marrom, hoje o predominante da minha sala é o colorido dos brinquedos. É verdade que muitos dias eu tenho saudade da solidão, mas nunca senti falta de ser sozinha. Isso mudou de forma permanente, eu nunca mais vou ser sozinha e isso acalma meu coração. Eu gosto de saber onde estou. Sinto como se buscasse algo que não sabia que me fazia falta. Eu queria alcançar essa sensação de pertencimento que ainda não conhecia, não é a toa que sempre quis ser mãe, mesmo sem saber o que de fato mudaria em minha vida.

Acredito que a maioria das mulheres que querem ser mães, tem uma ideia (ou ao menos deveriam ter) do que muda em sua vida em um pós-parto. Você dorme menos, ou às vezes não dorme. Você come quase sempre em horários errados, você não tem mais tempo para se arrumar. Sua aparência muda, olheiras são frequentes, seu cabelo começa a cair, suas unhas quase sempre estão sem pintar e você não encontra roupas que te sirvam já que as de grávida estão imensas mas as suas roupas antes de engravidar ainda não te servem. Estou falando do pós-parto, ok? Aos poucos quase tudo vai voltando ao seu lugar.

Mas e quando aquele período caótico do pós-parto passa, o que não volta mais? Algumas coisas não voltam ao lugar porque simplesmente não estão mais lá. Você mudou. No seu íntimo, sabe que por mais que volte a usar suas calças jeans e seus sapatos de salto, tem algo na sua essência que nunca mais será igual. Eu demorei um pouco para aceitar isso, pensava que talvez fosse só comigo e sentia carregando um peso nas costas. Eu tentei voltar ao que eu era, mas percebi que isso era impossível porque quando nasce um filho, nasce também uma nova mulher. Não estou dizendo que nasce uma mãe, certo? Já disse que não concordo com isso. A mãe vai nascendo muito lentamente. Mas sem nenhuma dúvida, nasce uma nova pessoa a cada nascimento. A alma da gente muda, isso é inegável. E não se engane pensando que isso se restringe ao primeiro filho, viu? Vivi tudo novamente com a chegada da minha caçula. Só depois que aceitei essa mudança foi que me senti livre para me reformular sem sentir que estava traindo meu antigo eu.

No início, perceber-se diferente assusta um pouco. Você espera que as mudanças ao seu redor, mas as mudanças no seu interior são muitas vezes assustadoras.Sou responsável por outra pessoa.” É uma frase que ecoa o dia inteiro, principalmente no silêncio da madrugada. Ter essa ciência pode ser difícil para muitas mulheres, algumas ignoram e terceirizam essa responsabilidade, outras não conseguem lidar com ela. Em todos os casos sempre é possível pedir ajuda.

E se eu te disser que essa mudança, não cessa? Você se assustaria? Não se assuste não. Nós vamos aprendendo a lidar com isso. Nós aprendemos a seguir a corrente, deixar fluir, tentar controlar menos a vida. Essa auto aceitação da vida e de si mesmo varia muito de pessoa para pessoa. Eu, como sempre fui muito controladora vivi sérios conflitos internos. Pensei que talvez não me encontraria mais, mas você se encontra sim. Basta aceitar que a vida são como as estações do ano, todos nós precisamos do inverno assim como precisamos da primavera. Não há beleza maior na primavera do que no inverno, são apenas momentos diferentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>