Pós-parto, 10 conselhos de quem já passou por dois

10 conselhos para um bom pós-parto

Escrevo esse texto para você que está no final da gravidez ou já está com um bebê no colo e mil perguntas rondam a sua cabeça. Respondo a principal, aquela que parece ser palpável e grita por resposta: Sim, você vai conseguir.

Você foi uma não mãe por muitos anos e a sociedade nos fez pensar que alguém se torna mãe quando escuta o choro de um bebê. Na prática não é assim que acontece. Além de todos os cuidados físicos, como trocar fralda, amamentar, colocar pra arrotar, trocar de roupa há algo muito mais profundo. É pesado ser totalmente responsável por essa vida que acabou de chegar. Algumas pessoas lidam melhor com isso, mas a grande maioria não.

Você se sente um fracasso por não saber acalmar um bebê, por não saber quando ele está com frio, com cólica, com fome, por não saber amamentar ou qualquer outra coisa. “Por que ele não para de chorar quando eu o pego no colo?” “Por que eu não consigo identificar os seus choros?” “Eu sou a sua mãe, eu deveria saber disso tudo.”  Esses são pensamentos que povoam a mente de uma recém mãe. Que fracasso de mãe eu sou, eu pensava. Eu não estava preparada para aquilo. Mas sinceramente? Acho que ninguém está.

Primeiro conselho: De todos os conselhos, o mais importante que eu daria para uma mãe que acabou de passar pela porta de sua casa e se vê com seu filho no colo é: Tenha compaixão de si mesma, não seja tão exigente com você! Busque o silêncio, não se sinta na obrigação de sorrir e fazer sala para as pessoas. Conecte-se com o seu bebê, as respostas irão aparecer. E é incrível quando você percebe que quando você se acalma, o seu bebê se acalma também. É que o cordão invisível ainda pulsa!

Segundo conselho: Divida a responsabilidade. O pai é tão responsável pelo seu bebê quanto você (embora você muitas vezes não acredite nisso!). No pós-parto temos o poder de aproximar ou distanciar um pai de suas funções e responsabilidades. A forma como você lida com esse primeiro momento fará toda a diferença.

Terceiro conselho:  Procure ajuda. Tenha alguém de confiança perto de você. Peça para sua mãe, irmã, amiga ou qualquer mulher que você confie e que goste de você te ajude nos seus afazeres e na sua alimentação. O objetivo não é que a pessoa te ajude a cuidar do bebê, mas que ela te deixe livre e sem nenhuma outra preocupação para que você possa se dedicar ao que é realmente importante. Beba muita água, se alimente bem e durma sempre que puder.

Quarto conselho: São raríssimas as pessoas que conseguem ter uma amamentação prazerosa e “fácil” em um primeiro pós-parto (ou segundo, terceiro…). Por isso não hesite em procurar ajuda especializada. Procure um banco de leite ou uma enfermeira que preferencialmente atenda em casa. Se isso não for possível, procure no YouTube vídeos que mostram as posições para amamentar e grupos de ajuda na internet.

Quinto conselho: Na internet você também encontra instruções de como trocar uma fralda ou curar o umbigo, por exemplo. Repito, essas funções não são inatas, nós as aprendemos.

Sexto conselho: Faça do seu marido um  leão de chácara se preciso for. Se as visitas não entendem e resolvem acampar na sua casa, alguém precisa impor limites e você não é a pessoa indicada a fazer isso.

Sétimo conselho: Tenha audição seletiva. Escute o que for necessário, descarte o que não for. Beber cerveja preta, dar chá de picão, colocar fumo no umbigo do bebê são conselhos ainda dados e arma contra eles é o conhecimento. Seja sensata e separe o que é verdade e o que é crendice.

Oitavo conselho: No puerpério é praticamente impossível assumir outros papéis além do ser mãe. Ignore as pressões do marido, da amiga que mal conseguiu esperar o resguardo para ter uma relação sexual e esqueça a sua pressão também para voltar a ser uma mulher sexualmente ativa. Deixe as coisas fluírem naturalmente, algumas mulheres demoram mais do que as outras para se sentirem a vontade para ter uma relação sexual.

Nono conselho: Em falar em pressão, esqueça também a pressão da sociedade para voltar a ter ao corpo outrora teve. Assuma suas novas formas, preocupe com a sua saúde. Se alimente bem e se possível faça uma caminhada com o carrinho em uma praça, o resto virá.

Décimo conselho: Você nunca mais será a mesma. Entender isso é vital para se reorganizar. A boa notícia é que você aprende a lidar com esse seu novo ser. E se você achar que não está conseguindo se reorganizar, não há mal nenhum em procurar ajuda com um profissional habilitado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>