Ter filhos: A maternidade não ensina a ser forte, ela obriga!

A verdade sobre ter filhos

Quero falar um pouco sobre a verdade sobre ter filhos, mas antes preciso fazer uma breve introdução. Já faz algum tempo, li um artigo sobre uso indiscriminado de medicamentos. O artigo era muito interessante, e mencionava o consumo alarmante de analgésicos por nossa geração.
Ora, a dor sempre existiu! Mas o que está acontecendo conosco? Teria o ser humano sofrido uma mutação genética que faz com que nossos neurônios estejam mais sensibilizados aos desconfortos cotidianos? Acho que não.

O fato é que as pessoas não parecem estar dispostas a sentir nenhum incômodo. Incômodos estes, que até pouco tempo eram vistos como normais. Não sabem esperar e estão sempre em busca da solução mais fácil. Aspirina virou bala, rivotril fica na cabeceira da cama. Ninguém mais quer saber de fazer o velho e bom leite morno antes de dormir. Contar carneirinhos então…

Onde quero chegar com isso tudo? Quero falar sobre ter filhos. Tenho refletido muito sobre tudo que vejo e leio por aí. Talvez a culpa seja das novelas que mostram bebês que dormem o tempo todo, recém mães com aquele sorriso disposto e o olhar encantador (e no pós parto!). Isso para não falar daquela cena tranquila de um bebê recém nascido mamando. Propaganda de amamentação tinha por obrigação ser mais realista. Um pouco (muito?) talvez seja também porque as pessoas estão idealizando tanto a maternidade/paternidade a ponto de achar que ter filhos será a solução para toda sua busca existencial. Não é bem assim! Uma coisa é você se surpreender com a mudança que os filhos trazem à nossa existência, outra coisa bem diferente é ter filhos para se encontrar. Acredite, a chance de se perder é bem maior. Não adianta colocar açúcar em uma sopa que está sem sal. Nenhum filho merece essa triste incumbência.

Ter filhos é difícil, muito difícil. Exige muito! Não estou dizendo que não é divertido/prazeroso/enriquecedor. Mas isso não muda o fato de que é difícil. Acrescente um filho à vida de uma pessoa desequilibrada emocionalmente e vai ficar mais difícil ainda!
Vejo mulheres reclamarem porque seus bebês de dois meses “ainda” não dormem a noite toda, ou que só querem ficar no colo. Aí eu me pergunto, como que elas não sabiam disso? Alguém precisa falar sobre isso. Quando uma pessoa vai fazer um curso superior, ela estudo sobre o curso, assiste uma aula como ouvinte. Penso que futuros pais deveriam fazer a mesma coisa. E, se me permitem ser sincera: algumas pessoas não deveriam ter filhos.

Difícil amamentar? É. Mais dolorido do que fazer uma tatuagem? Definitivamente não! Ficar acordado durante a noite é fácil? De jeito nenhum! Mas e quantas e quantas vezes essas mesmas pessoas ficaram/ficarão a noite toda acordadas em uma balada?

Deixem os bebês serem bebês! Bebês choram, precisam ser alimentados, embalados, vestidos, trocados, cheirados e amados. Bebês não gostam de ficar sozinhos e gostam de colo. Todos eles! Na França ou em qualquer país. Se o colo e afeto e aconchego é negado, já e outra história.

Desconfio muito de uma mãe que diz que a vida não mudou nada depois que teve filhos. Ou ela não é uma mãe de verdade (e terceiriza a maternidade) ou está mentindo! A vida da gente muda! Muda muito! Não só da mãe, como do pai e do casal.

Não quero com esse texto fazer as pessoas desistirem de ter filhos, mas se com esse texto você desistiu, você realmente não estava preparado pra viver isso.

Sei que muitos não gostam de ler esse tipo de verdade, muita gente gosta de florear a maternidade/paternidade como se tudo fosse perfeito. Mas eu tenho uma verdade pra te contar: nada é perfeito, nada é feito só de delícias. Tudo que vale a pena tem suas dores, tem trabalho e dedicação. Ter filhos não poderia ser diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>